Ciclos, ciclos, ciclos


Entendendo os Ciclos Naturais
Fritjof Capra


Esta conferncia foi organizada por um grupo de pessoas que acreditam e que afirmam na brochura, "que a jardinagem reconecta as crianas aos princpios fundamentais da alimentao enquanto integra e anima virtualmente cada atividade realizada na escola." Eu quero pegar esta afirmao como um passo mais adiante para mostrar que a jardinagem vai reconectar as crianas no somente a questes fundamentais de alimentao mas tambm aos princpios fundamentais da vida.

Ao longo das duas dcadas passadas uma nova concepo da vida, um novo sistema de olhar a vida est emergindo na vanguarda da cincia. Eu no tenho tempo para descrever esta nova concepo da vida com muitos detalhes mas quero mencionar algumas caractersticas importantes. A percepo central que existe um padro bsico da vida que comum a todos os sistemas vivos - organismos vivos, ecossistemas ou sistemas sociais. O padro bsico a rede. Existe uma teia de relaes entre todos os componentes dos organismos vivos, assim como a rede de relaes entre as plantas, animais e microorganismos em um ecossistema ou entre pessoas nas comunidades humanas.

Uma das caractersticas chave dessa rede viva que o fato de que todos os seus nutrientes passam ao longo de ciclos. Nos ecossistemas, a energia circula perfeitamente na rede enquanto a gua, o oxignio, carbono e todos os outros nutrientes circulam nestes familiares ciclos ecolgicos. Da mesma forma, o sangue circula perfeitamente em nosso corpo como o ar, a linfa e assim por diante. Em todos os lugares onde vemos vida, vemos rede e em todos os lugares onde vemos redes vivas vemos ciclos.

Essas trs percepes - a rede de padres, o fluxo de energia e os ciclos de nutrientes - so essenciais para a nova concepo cientfica da vida. Cientistas a formularam com uma linguagem tcnica complicada. Eles falam em "rede autopoitica", "estruturas dissipativas" e "ciclos catalticos". Mas o fenmeno bsico descrito atravs de termos tcnicos como rede da vida, fluxo de energia e ciclos naturais. E esses so exatamente os fenmenos que so experienciados, explorados e entendidos pelas crianas atravs da jardinagem.

Sabedoria Ancestral
Compreender a vida em termos de rede, fluxos e ciclos relativamente novo na cincia mas isto parte essencial para a sabedoria de tradies espirituais como por exemplo a tradio Nativa Americana, tradio Crist ou a tradio Budista. Alguns dos mais velhos de seu crculo lembraro de que o ttulo desta minha palestra o ttulo de uma velha cano de Pete Seeger - "To every thing there is a season: turn, turn, turn" - Para cada coisa existe um tempo: ciclo, ciclo, ciclo". O lirismo desta cano foi tirado diretamente da bblia e eu escolhi este ttulo para nos lembrar que a conscincia dos ciclos naturais parte da sabedoria ancestral humana.

Infelizmente, at certo ponto ns perdemos esta sabedoria durante um recente e relativamente curto perodo da era industrial. Existe um grande conflito hoje entre a ecologia e a economia do mundo industrial. Isto deriva do fato de que a natureza cclica enquanto que os sistemas industriais so lineares. Como Paul Hawken apontou, as empresas consomem recursos, os transformam em produtos e lixo e vendem os produtos para os consumidores que descartam mais lixo quando consomem. Padres sustentveis de produo e consumo necessitam ser cclicos, imitando os processos cclicos da natureza. Para atingir esses padres cclicos, precisamos fundamentalmente redesenhar os negcios e a economia.

A raiz deste problema est na nossa obsesso de um crescimento econmico ilimitado. Crescer uma caracterstica chave de todos os seres vivos mas em um planeta finito nem todos podem crescer ao mesmo tempo. Para cada coisa h uma estao. Enquanto algumas coisas crescem outras decrescem. Assim como no ltimo ano as folhas caram para nutrir um novo crescimento na primavera, algumas instituies deveriam tambm declinar e decair. Hazel Henderson nos lembra que o capital e os talentos humanos podem ser reciclados para criar novas organizaes.

Esta sabedoria ancestral pode ser vivenciada e entendida diretamente atravs da jardinagem. Com a chegada do sculo XXI, o grande desafio de nosso tempo criar comunidades ecolgicas sustentveis, comunidades que possam satisfazer nossas necessidades e desejos sem diminuir as chances das futuras geraes. Para esta tarefa, podemos aprender valiosas lies com o estudo dos ecossistemas que so comunidades sustentveis de plantas, animais e microorganismos.

Para entender essas lies, ns precisamos aprender os princpios bsicos da ecologia. Ns precisamos nos tornar ecologicamente alfabetizados e o melhor lugar para isto o jardim escolar. No uma coincidncia que a jardinagem e a preparao da comida que cresce no jardim so partes integrais da prtica religiosa de muitas tradies espirituais, como por exemplo as tradies monsticas do Cristianismo e do Budismo. Plantar e cozinhar so exemplos de trabalhos cclicos - trabalhos que tm que serem feitos continuamente, trabalhos que no deixam nenhum trao persistente. Voc cozinha uma refeio e imediatamente come. Voc lava os pratos e logo eles estaro sujos novamente. Voc planta, cuida do jardim, colhe e ento planta novamente. Este trabalho parte de uma prtica monstica porque ela ajuda a reorganizar a ordem natural de crescimento e declnio, de nascimento e de morte, e ento isso nos faz conscientes de quanto estamos envolvidos nos ciclos naturais.

No jardim, ns aprendemos sobre os ciclos dos alimentos, um dos mais antigos e importantes conceitos ecolgicos. Desde o princpio da cincia ecolgica, os ecologistas tm estudado a nutrio das relaes. Primeiro, eles formularam o conceito da cadeia de alimentos que ainda utilizado atualmente - animais pequenos comendo os maiores, que so comidos por animais maiores e assim por diante. Recentemente os ecologistas perceberam que todos os grandes seres vivos so comidos por pequenos quando eles morrem pelos chamados organismos decompositores. Esta a base do conceito de ciclos alimentares. E finalmente, os ecologistas reconheceram que esses ciclos de alimentos esto todos interconectados porque a maioria das espcies alimento de diversas outras espcies, como ns somos, e ento os ciclos de alimentos fazem parte de uma extensa e interconectada rede. Portanto, o conceito contemporneo da ecologia o da teia alimentar, uma rede de relaes de nutrio.

Aprendendo atravs da jardinagem

No jardim, ns aprendemos que as plantas verdes so vitais para o fluxo de energia de todos os ciclos ecolgicos. Suas razes pegam a gua e os sais minerais da terra e a seiva levada para as folhas onde elas a combinam com dixido de carbono (CO2) do ar para formar acares e outros compostos orgnicos. Neste processo maravilhoso, conhecido como fotossntese, a energia solar convertida em energia qumica e transformada em substncias orgnicas, enquanto o oxignio liberado para o ar para ser novamente utilizado por outras plantas, e pelos animais no processo de respirao.

Pela mistura de gua e minerais vindos da terra com a luz solar e o CO2 vindos do ar, as plantas verdes ligam a terra e o cu. Ns somos estimulados a acreditar que as plantas crescem do solo mas realmente a maioria das suas substncias vem do ar. A maior parte da celulose e dos outros componentes orgnicos produzidos atravs da fotossntese consiste em carbono pesado e tomos de oxignio que as plantas retiram diretamente do ar em forma de CO2. Quase todo o peso de uma tora de madeira vem do ar. Quando ns queimamos uma tora em uma fogueira, o oxignio e o carbono se combinam mais uma vez em CO2 e na luz e no calor do fogo ns recuperamos parte da energia solar que entrou na produo da madeira. Tudo isto ns aprendemos na jardinagem.

Ciclos dentro de ciclos
Em um tpico ciclo alimentar, as plantas so comidas pelos animais que por sua vez so comidos por outros animais e ento os nutrientes das plantas so passados atravs da cadeia alimentar, enquanto a energia dissipada como calor atravs da respirao e o lixo, atravs da excreo. Os lixos, bem como animais mortos e plantas so decompostos por insetos e bactrias, os organismos decompositores, que quebram molculas maiores nos nutrientes bsicos para ser retirado novamente pelas plantas verdes.

Na jardinagem, ns integramos os ciclos alimentares naturais em nossos ciclos de plantio, crescimento, colheita, compostagem e reciclagem. Atravs desta prtica, ns tambm aprendemos que o jardim como um todo est envolvido em sistemas maiores que so novamente redes vivas com os seus prprios ciclos. Os ciclos alimentares se interconectam com esses ciclos maiores - o ciclo da gua, o ciclo das estaes e assim por diante, todos ligados rede de vida planetria.

Atravs da jardinagem ns tambm nos tornamos conscientes de como somos parte da teia da vida. Um trecho do famoso discurso do Chefe Seatlle diz: "Ns no tecemos a trama da vida, somos simplesmente um de seus fios. Qualquer coisa que fizermos para a teia, faremos para ns mesmos."

No jardim, ns aprendemos que um solo frtil um solo vivo contendo bilhes de organismos vivos em qualquer centmetro cbico. As bactrias do solo so responsveis por vrias transformaes qumicas que so essenciais para sustentar a vida na Terra. Como a natureza dos solos viva, ns precisamos preservar a integridade dos grandes ciclos ecolgicos em nossa prtica de jardinagem e agricultura. Este princpio incorporado pelos mtodos da agricultura ancestral e tradicional que so baseados em um profundo respeito pela vida. Estes agricultores costumam plantar diferentes culturas todos os anos, com rotatividade preservando o equilbrio do solo.

Cerca de 40 anos atrs, esta prtica tradicional da agricultura orgnica mudou drasticamente com a introduo massiva de fertilizantes qumicos e pesticidas. A agricultura qumica quebra seriamente o equilbrio do solo, e tem um severo impacto na sade humana, porque qualquer desequilbrio no solo afeta o alimento e a sade de quem come este alimento. Felizmente, um nmero crescente de agricultores est consciente do risco da agricultura qumica e est voltando para a orgnica, com mtodos ecolgicos. O jardim escolar o lugar ideal para ensinar para nossas crianas as vantagens da agricultura orgnica.

Aprendendo com o mundo real

Outro tipo de ciclo que ns encontramos no jardim o ciclo da vida de um organismo - o ciclo do nascimento, crescimento, maturidade, declnio, morte e renascimento da prxima gerao. No jardim, ns vivenciamos diariamente a experincia do crescimento e desenvolvimento. Ns podemos acompanhar o desenvolvimento da planta desde a semente at o primeiro fruto, o crescimento das folhas, dos brotos, das flores e das frutas. E quando ns olhamos dentro da fruta descobrimos no seu ncleo novas sementes e ento o ciclo da vida recomea.

O entendimento do crescimento e do desenvolvimento, claro, essencial no somente para a jardinagem mas tambm para a educao. Enquanto as crianas aprendem que aquele trabalho no jardim da escola muda com o desenvolvimento e maturao das plantas, os mtodos pedaggicos dos professores e seu discurso mudam com o desenvolvimento e a maturidade dos estudantes. Este o pensamento sistmico em ao - aplicando o mesmo princpio para diferentes nveis dos sistemas.

Desde o trabalho pioneiro de Jean Piaget nas dcadas de 20 e 30, um amplo consenso emergiu entre cientistas e educadores sobre a revelao das funes cognitivas no crescimento infantil. Parte deste consenso o reconhecimento que um rico e multisensorial ambiente de aprendizagem - as formas e as texturas, as cores, os aromas, e os sons do mundo real - essencial para o completo desenvolvimento cognitivo e emocional da criana.

Aprender no jardim da escola aprender no mundo real o que h de melhor. Isto benfico para o desenvolvimento individual do estudante e da comunidade escolar, e esta uma das melhores formas das crianas se tornarem ecologicamente alfabetizadas e portanto capazes de contribuir na construo de um futuro sustentvel.

BIBLIOGRAFIA INDICADA
Livros

Agroflorestas para crianas - Uma sala de aula ao ar livre - Carolyn Nuttall
Hortas escolares - O ambiente horta escolar como espao de aprendizagem no contexto do Ensino Fundamental - UFSC, SED, Epagri, 2002.
Agricultura Ecolgica- Preservao do pequeno agricultor e do meio ambiente. Jurandir Zamberlam & Alceu Froncheti. Editora Vozes, 2001.
Introduo Permacultura. Bill Molison & Reny Mia Slay. Ministrio da Agricultura e do Abastecimento, Projeto Novas Fronteiras, 1998.
Permacultura Um - Uma agricultura permanente nas comunidades em Geral. Bill Molison & David Holmgren. Editora Ground, 1983.
Permacultura - O Stio Abundante, co-criando com a natureza - Marsha Hanzi
Manual de Compostagem para Hortas e Jardins. Stu Campbell. Editora Nobel, 1995.
Pedagogia da Terra, Moacir Gadotti. Editora Peirpolis, 2000.
Ecopedagogia e cidadania planetria, Francisco Gutirrez, & Cruz Prado. Editora Cortez e IPF, 1999.

Sites
Rede Permear de Permacultores
http://www.permear.org.br/

Permacultura no Brasil
http://www.permacultura.org.br/





Voltar para o site

..